sexta-feira, 29 de agosto de 2008








Dra. Emanuelle Giacomini Fiorentin
Nutricionista CRN8 4809

E-mail:
nutri.vitta@hotmail.com
Site em desenvolvimento:
http://www.nutrivitta.ntr.br/


OBESIDADE: O Mal do Século

Podemos considerar obesidade como uma alteração do estado nutricional do indivíduo por excesso de ingesta alimentar, ou seja, uma doença crônica, degenerativa, progressiva e recorrente.

Para a Organização Mundial de Saúde (OMS), o estado nutricional seria resultado de uma complexa interação entre a ingestão alimentar, a saúde geral do indivíduo e o ambiente em que ele vive.

A obesidade humana é acompanhada por um aumento marcante do número de células adiposas. Através da perda de peso, pode-se conseguir a diminuição do tamanho celular, mas o número de células permanece alto. O aumento do número de células é maior quando a obesidade ocorre precocemente do que quando se inicia mais tarde.

Tem gente que, mesmo vivendo sob dieta, está sempre acima do peso; outros comem muito, mas nunca engordam (dizem que são “magros de ruim”).

Haveria uma causa genética para a obesidade?

Existe grande dificuldade em definir até onde vai a expressão do patrimônio genético e até onde existe a influência do ambiente, que, em última instância, é o fator que define se a pessoa será ou não obesa.

Não existe apenas um gene da obesidade; hoje já foram identificados diversos genes que estão associados ou relacionados à obesidade humana.

Estudos recentes revelam que uma criança com os dois pais obesos tem 80% de chance de apresentar o mesmo perfil; se apenas um dos pais for obeso esse risco cai pela metade; se nenhum dos pais apresentar obesidade, a criança tem risco de 7% de vir a ser obesa.

No Brasil, estima-se que 20% das crianças sejam obesas e que cerca de 32% da população adulta apresentem algum grau de excesso de peso, sendo 25% casos mais graves.

Em 1975 tínhamos no Brasil, um pouco mais de 8% de subnutridos e cerca da metade, 4%, de obesos. Este quadro se inverteu em dados mais recentes: 9% de obesidade e só 3% de subnutridos.
50% das crianças obesas aos seis meses de vida e 80% daquelas aos cinco anos, serão sempre obesas.


Segundo o Consenso Latino-Americano sobre Tratamento da Obesidade, o objetivo do tratamento é, portanto, alcançar um estado de saúde, seja através do equilíbrio metabólico, no que se refere aos níveis normais ou próximos do normal dos valores sanguíneos de glicose, triglicerídeos, colesterol total e frações, ácido úrico e insulina, seja a saúde como um todo, incluindo aqui a melhoria dos problemas ostearticulares, psicológicos e outros. Por esse prisma, a saúde passa a ser o fim, e não apenas os aspectos estéticos. Tal objetivo pode ser alcançado com perdas de peso em torno de 5 a 10% do peso inicial.

Contudo, para algumas pessoas, na busca do emagrecimento fácil em pouquíssimo tempo, vale de tudo. Atualmente, existem várias dietas alternativas que prometem o emagrecimento rápido que são as “dietas da moda” ou “produtos substitutos de refeições”. Estes não devem ser utilizados por períodos prolongados, são formulações que levam a perda de peso rápida, mas não garantem a manutenção do peso. Não devem ser indicados para casos de obesidade grau I e II associadas a risco de comorbidades. São monótonas e não promovem uma reeducação alimentar.

É necessário destacar que não existe uma fórmula exata de tratamento dietoterápico para a obesidade e que, concomitantemente ao planejamento do tratamento, deve-se estabelecer medidas preventivas que estimulem a manutenção de um peso saudável, a adoção de um estilo de vida e alimentação adequados, exercícios físicos regulares a uma permanente educação alimentar.

Para colocar todos estes passos em prática, faz-se necessário e recomendável tratamento em equipe multidisciplinar composta por profissionais tecnicamente habilitados, com formação clínica (nutricionista, psiquiatra, endocrinologista, cardiologista, psicólogo, fisioterapeuta, dentre outros) e em geral a eles, e não a diferentes especialistas, deve caber o principal papel no tratamento do obeso.


O tratamento do obeso é uma tarefa árdua, tanto para o paciente quanto para a equipe envolvida, pois trata-se de uma doença crônica, de graves conseqüências e ainda sem cura possível.

Finalmente, se faz necessário ponderar, dentro do exposto, que, talvez, a única maneira eficaz de tratar a obesidade deva ser evitar seu aparecimento. Para que isso seja conseguido, é necessário que haja um maior engajamento dos profissionais de saúde na educação dos pais e de seus pacientes.

Uma postagem de uma profissional da área de nutrição, para dar uma visão mais ampla da Obesidade.

12 comentários:

Dani disse...

Parabéns por mais uma informação tão clara!
Adoro seu blog!
Besitos!

Clarice disse...

Adorei a mensagem, bastante construtiva, vou começar a prestar mais atenção na alimentação das crianças. Amo visitar o seu blog, pois tem sempre mensagens esclarecedoras como a que acabei de ler. Um excelente final de semana. Beijos!

**Má** disse...

Olá Dra... ótimas informações... é sempre muito gratificante visitar seu cantinho... Tenha uma ótima semana!!!

Crista disse...

óptima mensagem Luciana.
De pequenino é que se traça o destino não é mesmo????

Tenho muito cuidado com a alimentação da minha filha, ela tem 16 anos e tem "síndrome de coxas de computador", ou seja (risos), passa tanto tempo sentada no PC, que essa zona do corpo é bastante mais forte do que o resto. Então pus ela a fazer exercícios comigo e nada de hidratos exagerados no jantar: sopa, peixe ou carne magra e legumes.

Mil beijos e um óptimo domingo

Renata disse...

Ola, Luciana, hoje é o dia do BlogDay, onde cada um indica os cinco blogs que mais gosta e sempre passo pelo seu blog para ver dicas e me ajudar no meu processo de emagrecimento.
T+
Renata
http://reemforma.zip.net/

Destino-Emagrecer disse...

Olá Luciana, vou acompanhar o seu blog. Pelo que já li as suas dicas são óptimas.
Tenha uma excelente semana!

Vania disse...

Tratar a obesidade é mesmo uma tarefa muito muito árdua (sobretudo para o próprio paciente rsss).

Estou me acostumando com a idéia de um LONGO PROCESSO. Eu sempre que me peso (uma vez por semana, mas eu tenho vontade de me pesar todos os dias) sinto que o caminho é longo.

Mas tudo bem.

Obrigada por estar ajudando, Luciana, é uma luta dificílima mesmo e ter o apoio do seu blog está sendo de grande valia.

Beijos

Luciana disse...

Interessante seus posts, principalmente sobre a tendencia que temos de comer mais, qdo estamos tristes.
Bom fim de semana.

Clarice disse...

Olá Luciana, tudo bem? Obrigada por estar sempre nos incentivando e gostaria de deixar registrado que é você quem nos motiva com as matérias deixadas em seu blog, que por sua vez são de extremo conhecimento por toda a nossa vida (uma bagagem), e mais ainda, com os elogios e os incentivos deixados em nossos blogs, isso é motivação. Obrigada pelo belíssimo trabalho que desempenha e pelo que representa em nossas vidas. Beijos!

Clarice disse...

Eu é que lhe agradeço e me sinto honrada em ter acesso ao seu trabalho e principalmente pela atenção e pelo carinho que você nos dedica. Uma excelente semana! Beijos!

Josy disse...

Olá...
10 o post Luciana muito bom....
Uma bela semana pra vc e muito obrigada pela visita...
Bjssss......

alimentacaoesaude disse...

realmente a obesidade é o mal do século, com tanta oferta de comida as pessoas estão engordando demais!!!

boa semana

bjusss

Thaís Lopes