quarta-feira, 22 de outubro de 2014

Caso de sucesso: 25 kg a menos com dieta, exercícios e a ajuda do Instagram



Mesmo casada com um treinador, Mayara Degaspari não manteve a disciplina e engordou muito. Após uma reviravolta na vida amorosa, ela resolveu cuidar de si mesma e, aos 30, está com seu melhor corpo.



Foto: Arquivo Pessoal

Na adolescência, em Campinas (SP), Mayara adorava praticar esportes e atividades como jazz e capoeira para se manter em movimento. “Com os exercícios, ficava em boa forma nos meus 60 kg.” Meço 1,75 m. O primeiro deslize com a balança só aconteceu ao entrar na faculdade, quando a mudança de rotina resultou na falta de cuidado com a alimentação e os exercícios. “Ainda fiz um intercâmbio de seis meses, no México, e voltei com 8 kg a mais”, diz ela, que passou a comer menos e logo recuperou o antigo peso. A forma física só voltou a ser um problema quando ela começou a namorar. “É irônico, mas engordei enquanto namorava um treinador de futebol. A gente saía muito para jantar e relaxei na alimentação.” Aos 25 anos, ela se casou e a vida a dois não ajudou na disciplina. “Saí do emprego.Sozinha em casa, eu ficava ansiosa e descontava as frustrações na comida.

Mesmo engordando, Mayara não se preocupava, pois acreditava que, como aconteceu após o intercâmbio, ela perderia os quilos com facilidade. “Comia tranqueira, bebia cerveja e me esbaldava nos doces.” Com um ano de casada, o relacionamento desandou, assim como seu peso. “Meu corpo não foi o motivo da separação, mas estava infeliz comigo mesma e descontei as mágoas nele, agravando a situação.” O fim do casamento foi um choque, porém fez com que ela se focasse em si. “Encarei o espelho e me vi sozinha, com 28 kg a mais. Decidi que precisava fazer algo por mim e busquei a academia.

Virando a página

A mudança não foi radical: ela começou a fazer meia hora por dia de exercícios aeróbicos, cortou bebidas alcoólicas e começou a se alimentar bem. “Não passei fome, mas me policiei bastante e voltei aos 68 kg.” Aconselhada por uma amiga, Mayara abriu uma conta no Instagram e seguiu perfis que incentivassem uma vida saudável. “Descobri o mundo da internet e mesclava cardápios e treinos.” Hoje, com um trabalho das 4 da tarde à meia-noite, ela investe na academia pela manhã, faz musculação seis vezes por semana e dois dias de pilates.

Tempo na cozinha

Nas horas livres, Mayara gosta de cozinhar. “Eu me inspirei nos cardápios que via na internet e acabei me apaixonando.” Com a mudança, ela emagreceu mais 3 kg, fez da culinária uma terapia e da vida saudável um hobby. “Nunca imaginei que aos 30 anos teria o melhor corpo da minha vida nem que teria prazer em seguir uma vida saudável sem sacrifícios.

Dicas da Mayara

· Tenha autocontrole. “Às vezes, você desanima e enfia o pé na jaca. O importante é não acumular escapadinhas.

· Foque-se em você. “Nosso corpo é nosso templo. Invista no que lhe dá prazer.” 
· Varie os treinos.“Aprendi a misturar musculação com pilates. Além de força, melhorei a postura e a flexibilidade.” 

segunda-feira, 20 de outubro de 2014

Hipnose como aliada na perda de peso


Técnicas aliadas ao processo de emagrecimento sugerem excelentes resultados

images-16
por Luciana Kotaka
A obesidade é uma doença que vinha crescendo de forma assustadora no Brasil, porém esse panorama mudou de um tempo para cá como mostra os estudos realizados pelo Ministério da Saúde revela que, pela primeira vez em oito anos consecutivos, o percentual de excesso de peso e de obesidade se manteve estável no país. A pesquisa Vigitel 2013 (Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico) indica que 50,8% dos brasileiros estão acima do peso ideal e que, destes, 17,5% são obesos. Os resultados do estudo cessam a média de crescimento de 1,3 ponto percentual ao ano que vinha sendo registrada desde a primeira edição, realizada em 2006 – quando a proporção de pessoas acima do peso era de 42,6% e de obesos era de 11,8%.
Mas apesar do levantamento realizado acima ainda verificamos que o percentual é muito alto e que poucas pessoas têm acesso aos tratamentos especializados para mudar esse quadro apresentado. A cirurgia bariátrica vem sendo umas das saídas mais procuradas para essa finalidade, porém sabemos que a mesma, sem o paciente ter realizado uma reeducação emocional e nutricional adequadas, além de adquirir o hábito pela atividade física diária, acaba sendo somente um tratamento a médio prazo.
Uns dos aliados importantes para que o paciente mude comportamentos e assuma o compromisso por seu bem-estar é a hipnose.
A hipnose é um procedimento durante o qual o profissional sugere ao cliente que vivencie mudanças em sensações, percepções, pensamentos ou comportamentos. Um estado alterado de consciência, produzido por meios naturais, desligando das percepções externas e tendo uma grande atividade interna, sem perder seu estado de alerta.
Durante todo esse processo é trabalhado vários aspectos que influenciam e favorecem que o paciente consiga assumir novos comportamentos e motivados a aderência de reeducação alimentar e física se mostra mais efetiva.
Desta forma o processo de perda de peso se torna um processo gradativo, em que o paciente consegue assumir o controle pela sua alimentação e mudanças essenciais para chegar a uma meta planejada, sem correr o risco de vivenciar o famoso efeito sanfona tão conhecido pelos adeptos das dietas.

quinta-feira, 9 de outubro de 2014

Receita do Vigilantes do Peso de minissanduíches


 Prato é ideal para quem está de dieta e quer manter alimentação equilibrada

Crédito: Divulgação
Crédito: Divulgação
Para as pessoas que gostam de cozinhar e surpreender à mesa, mas sem prejudicar a dieta, as receitas que não engordam são ótimas alternativas. Substituindo alguns ingredientes é possível preparar pratos light e saborosos, como os minissanduíche de rosbife com cream cheese.
A receita faz parte da coleção "ProPontos" do Vigilantes do Peso, que está lançando também um aplicativo (para iOS ou Android) que dá acesso a receitas, histórias de  sucesso e artigos sobre emagrecimento, saúde e bem estar.

Minissanduíche de Rosbife com Cream Cheese

Ingredientes

  • ¼ de xícara de raiz-forte fresca ralada fina e espremida
  • ¼ de xícara de cream cheese light
  • 10 fatias de pão de centeio integral partidas ao meio
  • 5 fatias de rosbife partidas em 4 pedaços (150 g)
  • 20 fatias finas de pepino
  • 20 galhos de agrião pequenos e tenros
  • 10 tomates-cereja partidos

Modo de Preparo

1 - Numa tigela, misture a raiz-forte com o creem cheese. Espalhe numa face de todas as fatias de pão.
2 - Arrume por cima do creme: 1 pedaço de rosbife, 2 fatias de pepino, 2 galhos de agrião e meio tomate-cereja.
Rendimento: 10 porções

segunda-feira, 6 de outubro de 2014

Efeito sanfona emocional


LUCIANA KOTAKA

Sentimentos não resolvidos interferem na oscilação do peso corporal

Se o título pareceu estranho então precisa ler o texto inteiro, pois estranho mesmo é não conseguir alcançar uma estabilidade emocional e comer muito, além do que é necessário para a saúde.
Sabemos que comida tem a finalidade de nutrir o corpo promovendo a saúde e proporcionando energia para darmos andamento as nossas atividades diárias. Porém, é claro que comer também dá prazer e  um chocolate pode ser a salvação do dia quando estamos na famosa TPM, não é mesmo?
Desta forma vivemos uma oscilação constante em busca do bem-estar, ora querendo perder peso, ora querendo comer para nos sentirmos mais felizes. Não há nada de errado em comer o que gostamos, pois precisamos sim satisfazer algumas necessidades que nos dão prazer, porém o grande problema começa quando comer muito se torna um hábito nada saudável, comprometendo nossa saúde física e emocional.
O importante é poder identificar essa sanfona de emoções, do porque se encher de porcarias que só fazem mal ao invés de procurar outras maneiras de ficar bem, sem esses exageros. A comida acabou ocupando um lugar importante para muitas pessoas, não é preciso andar muito em uma rua para verificar essa realidade.
Há pouco tempo o Ministério da Saúde divulgou uma pesquisa em que revela que quase metade da população brasileira está acima do peso. Segundo o estudo, 42,7% da população estava acima do peso no ano de 2006. Em 2011 esse número passou para 48,5%. O levantamento foi realizado pela Vigitel (Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico) e os dados foram coletados em 26 capitais brasileiras e no Distrito Federal.
Podemos pensar em vários fatores que têm influenciado nessa troca de prazeres, como a falta de tempo, excesso de trabalho, estresse, sedentarismo, solidão, conflitos emocionais, autosabotagem, mas de qualquer forma o importante é compreender que não está havendo tempo para se olhar, cuidar do corpo que é nossa moradia.
Nessa gangorra de emoções vamos levando a vida e ainda querendo emagrecer, será que é possível mudar isso sem se comprometer mudar a si mesmo?
Acompanho toda semana inúmeras pessoas prometendo perder peso a qualquer custo, começam dietas, exercícios físicos, mas por algum motivo chutam o balde e colocam tudo a perder. Talvez seja o momento de mudar, procurar outras formas de lidar com esse peso que abala a estrutura emocional não permitindo que emagreça de forma assertiva, sem medos e radicalismos.
Afinal quando nos sentimos incomodados cabe a cada um procurar resolver.

quinta-feira, 25 de setembro de 2014

Estudantes lançam guia alimentar em forma de quebra-cabeça




Um quebra-cabeça para ser montado durante todo o dia. Essa é a proposta do recém-lançado Meu Dia Alimentar, uma espécie de guia interativo que ajuda crianças e pais a descobrirem o melhor caminho para uma alimentação saudável.


Baseado em uma dieta de 2 mil calorias, o jogo é formado por pecinhas coloridas - cada cor representa um grupo alimentar - com nomes e ilustrações de alimentos, e por um tabuleiro quadrado onde as peças devem ser encaixadas. O objetivo é completar o tabuleiro ao final do dia, tendo comido a quantidade necessária para cada um dos 9 grupos alimentares.



O projeto foi idealizado pelos estudantes Gabriela Bizari, de Nutrição, e Adriano Furtado, da área de Design, ambos da Universidade de São Paulo (USP). Para Gabriela, o quebra-cabeça se difere da tradicional pirâmide alimentar. "Nossa versão também é uma representação gráfica, traz as mesmas recomendações, só que de forma interativa e intuitiva", explica. A estudante esclarece que o jogo, no entanto, não dispensa o acompanhamento de um profissional, que é quem deve orientar sobre a dieta de cada criança.



Ela conta ainda que uma peça-chave para a alimentação foi colocada no centro do tabuleiro: a água. "As crianças só podem encaixar a peça se tiverem bebido dois litros por dia", explica ela, que incentiva o consumo de água. "Não se pode esperar ter sede para beber. A sede já é sinal de desidratação".



O jogo foi testado em uma escola particular com crianças de 7 a 10 anos. "Percebemos que as crianças gostam de falar sobre alimentação e tiraram conclusões importantes para a nutrição como a importância de fracionar as refeições, de três em três horas", diz. Embora tenha interface apropriada para os pequenos, o quebra-cabeça pode ser usado por pessoas de qualquer idade.



Ela também conta que a baixa porção de açúcares e óleos recomendados pelo jogo não foi um susto para as crianças, apesar de estarem habituadas a comer doces e gorduras. "Quando eles olham para o tabuleiro e veem que podem comer uma porção de óleo e de açúcar, ficam muito felizes. Temos que acabar com a ideia da proibição. Trabalhamos com eles qual o melhor momento para consumir esse doce, por exemplo".



O quebra-cabeça já pode ser adquirido pelo site do projeto. Os idealizadores também pretendem lançar em novembro um aplicativo gratuito com a mesma proposta. De acordo com Gabriela, a plataforma online permitirá ainda o contato direto do usuário com um profissional de nutrição e o acompanhamento diário da dieta.



Autonomia



Para o diretor do Departamento de Nutrologia Pediátrica da Associação Brasileira de Nutrologia, Carlos Alberto Nogueira de Almeida, a educação nutricional para os pequenos é preciosa. "São necessárias informações que as próprias crianças possam usar. Se elas tiverem autonomia, podem ser partícipes do processo de nutrição", explica.



De acordo com o profissional, a dica para os pais que querem uma alimentação saudável para as crianças é buscar informações e, eventualmente, ajuda profissional. De modo geral, é sempre importante ter uma alimentação variada e fracionada em 5 ou 6 refeições. "Comer frutas, verduras e legumes, reduzir ao máximo os industrializados e controlar o excesso de sal e açúcar", recomenda.

Júlia Marques