sexta-feira, 20 de maio de 2016

Vaidade excessiva - entrevista com a psicóloga Luciana Kotaka no program...

terça-feira, 29 de março de 2016

11° Turma do Curso Online de Cirurgia Bariátrica

 

 

Objetivo

O objetivo do curso online de Cirurgia Bariátrica é deixar o profissional da saúde atualizado e capacitado para trabalhar com essa população que recorre às cirurgias do estômago como método de tratamento da obesidade.

Conteúdo Programático

  • Tipos de cirurgias;
  • Indicações para a cirurgia bariátrica;
  • Psicologia na preparação e acompanhamento pré e pós cirurgia bariátrica;
  • Responsabilidade do paciente na perda e manutenção do peso;
  • Acompanhamento nutricional no pré e pós-operatório de cirurgias bariátricas;
  • Avaliação nutricional: clínica, bioquímica e dietética, avaliação da perda de peso, identificação e tratamento das complicações nutricionais pós-cirurgia bariátrica;
  • Gestação e cirurgia bariátrica;
  • Suplementação indicada;
  • Reganho de peso no pós operatório tardio;
  • Cirurgias reparadoras de contorno corporal;
  • Necessidades nutricionais específicas do paciente bariátrico submetidos à cirurgias reparadoras;
  • Conduta Nutricional no Pré e Pós operatório das cirurgias reparadora;
  • Manejo nutricional das complicações estéticas (alopecia, síndrome das unhas frágeis e flacidez dérmica);
E mais!
  • Modelo de laudo nutricional;
  • Tópicos abordados nas reuniões no pré operatório;
  • Exemplos de cardápios;
  • Estudos de casos (cirurgia bariátrica e cirurgias plásticas/reparadoras);
  • Orientações nutricionais.
Acesse o link abaixo e realize sua inscrição:https://www.institutoanapaulapujol.com.br/iapp/produto/curso-online-cirurgia-bariatrica-2403-a-25042016-20-horas-cb001-11/

quinta-feira, 10 de março de 2016

Terapia comportamental é aliada para perder peso e manter a forma

Ao lado de adequação alimentar e atividade física, a terapia comportamental cognitiva (TCC) tem impulsionado a perda de peso. Especialistas dizem que para emagrecer é preciso mudar a forma de pensar e, a partir daí, o modo de agir


Não é segredo para ninguém. Só emagrece quem diminui as calorias – com alimentação adequada ou atividade física, ou os dois juntos, o que é bem melhor. Mesmo quem se rende às dietas da moda – das sopas, das luas, dos médicos de sobrenome marcante e das celebridades, sabe, no fundo, as regras para ver a balança baixar. Mas não só com restrição e malhação se perde peso. É preciso colocar a cabeça a favor do processo. O emagrecimento exige mudança de comportamento e antes dele uma mudança cognitiva, uma transformação no jeito de pensar.

Não basta virar a folhinha. O início de ano é marcado por proposições: vou fazer dieta, entrar na academia, parar com a cerveja. Terminado o primeiro mês, muita gente nem começou. Muita gente já desistiu. Para a psicoterapeuta sistêmica Aline Rodrigues, tais promessas são alimentadas por quem não quer desperdiçar o tempo novo para dar mais força a alguma proposta. “Mas não é uma mudança de data que vai fazer diferença. Com a virada do ano só se renova o desejo”, alerta a psicóloga, que se dedica a programas de emagrecimento.

Para ler a matéria na íntegra:  http://sites.uai.com.br/app/noticia/saudeplena/noticias/2014/02/02/noticia_saudeplena,147406/terapia-comportamental-e-aliada-para-perder-peso-e-manter-a-forma.shtml

segunda-feira, 29 de fevereiro de 2016

Síndrome alimentar noturna



A primeira descrição da síndrome alimentar noturna (SAN) revelava uma população de obesos que apresentava, especialmente em situações de estresse, redução do apetite pela manhã, hiperfagia noturna e insônia inicial, ou dificuldade em reiniciar o sono após despertares noturnos para pequenos lanches.

Ainda não há critérios diagnósticos totalmente estabelecidos para SAN, mas sabe-se que é primariamente caracterizada por episódios de exageros alimentares entre o horário do jantar e o início do sono, acompanhado de pelo menos um episódio de ingestão alimentar durante despertares noturnos, sempre com lembrança total ou parcial. Mais de 50% da ingestão calórica diária ocorre após as 19h.

O hábito alimentar diurno é considerado dentro dos padrões normais.

Tais sintomas devem estar presentes por pelo menos três meses e não ocorrer na presença de diagnóstico de BN ou TCAP.

Todo transtorno alimentar deve ser acompanhado de nutricionista, psiquiatra e psicólogo, todos especialistas na área.