sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013

Procuram-se mulheres de verdade

Foto ilustrativa, não é foto do projeto.

Há um projeto fotográfico que roda o país procurando a beleza de mulheres nuas e normais.  . Normais significa que não seguem o padrão estético das modelos.
A disseminação dessas imagens pode ter um impacto na saúde pública --e na felicidade de muita gente. Comento esse projeto, batizado de "Nu Project", estimulado pelo Carnaval.
O Carnaval ajuda a divulgar as vistosas mulheres que, para ter aquele corpo, são obrigadas a malhar muitas horas por dia e a comer pouco e, não raro, são esfaqueadas em cirurgias plásticas. Algo quase desumano.
Esses corpos esculturais servem para alimentar a baixa autoestima (e muitas vezes complexos) de quem tem um corpo normal, e saudável, mas vítimas da ditadura da estética, cultuada pelos meios de comunicação.
Nada contra --pelo contrário-- à beleza escultural. O que deveria incomodar é a perversidade de se achar que aquilo é o padrão, o que vem gerando uma sensação de desconforto generalizado, ainda mais nas adolescentes. Um desconforto que, como vemos nas estatísticas, produzem riscos à saúde.
O projeto mostra que é possível ser feliz e desejável (e saudável) com o corpo normal.
Gilberto Dimenstein Gilberto Dimenstein ganhou os principais prêmios destinados a jornalistas e escritores. Integra uma incubadora de projetos de Harvard (Advanced Leadership Initiative). Desenvolve o Catraca Livre, eleito o melhor blog de cidadania em língua portuguesa pela Deutsche Welle. É morador da Vila Madalena.

 http://www1.folha.uol.com.br/colunas/gilbertodimenstein/1230000-procuram-se-mulheres-de-verdade.shtml


Achei super interessante esse projeto, e vocês, deixem sua opinião.

Um beijo
Luciana Kotaka 

4 comentários:

Maria Alexandre disse...

Bom dia!

Eu tbm achei bem legal o projeto, pois cada vez mais as jovens estão encarando cirurgias arriscadas para transformar seus corpos, muitas vezes chegam ao ridículo, pois parecem mais um projétil que um ser humano!!

Sou a favor de um corpo saudável, sem excessos de gorduras, mais assim já é demais!! Bjos

Jade disse...

Sou jovem, tenho apenas 19 anos e fiz uma lipoescultura há 1 mês, no dia 16 de Janeiro ainda tinha 18, pois, faço aniversário no dia 28, não concordo com essa visão de jovens que "ENTRAM NA FACA" que "FAZEM CIRURGIA POR UMA DITADURA DA ESTÉTICA" sempre tive a saúde ótima, desde criança apresento sobrepeso e sempre fiz esportes, academia e dieta balanceada, porém, sempre sonhei em ter uma cintura esbelta e o bumbum avantajado e nenhuma academiia e dieta me dariam isso, estou muito feliz e satisfeita com o meu corpo, e sou a favor do mundo "sem padrões" pois, somos mulheres e não maniquins... Só não acho certo esse preconceito com quem pode e quer fazer cirurgias, pois, o que importa é sermos felizes, magras, gordas ou gostosas!

Pérolla Yara disse...

Oi lindona!
Vim conhecer seu cantinho e agradecer por me seguir!
E realmente temos que entender que somos únicas e devemos nos amar do jeitinho que Deus nos fez. Não é verdade?
Vamos seguir firmes!
beijos

Tays Rocha disse...

Lu, eu acho bem bacana esse projeto, essa conscientização de não temos que ser obrigatoriamente iguais, que somos únicos em nossas necessidades, visões e estilo de vida; valendo ressaltar também que estar mais magra, certamente vai me fazer mais feliz, mas isso não será um fator mágico que me fara ser feliz, existem outras coisas e contextos na vida que fazem parte dessa busca. Acho o projeto muito válido! Beijos ♥