segunda-feira, 20 de abril de 2009

Distúrbios Psicológicos e a Obesidade

.
.
Mais do que uma doença, a obesidade pode ser consequência, ou muitas vezes a causa de problemas psicológicos variados.
A obesidade já é considerada uma doença pela Organização Mundial da Saúde (OMS), assim como por médicos e demais profissionais da área da saúde.
O acúmulo de tecido gorduroso no organismo pode ser diagnosticado de diversas formas, que revelam os riscos e prejuízos à saúde.
Para esclarecer melhor este tema e explicar os riscos que estes pacientes correm também no âmbito emocional, entrevistamos o psiquiatra Arthur Kaufman, professor da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP) e coordenador do Programa de Atendimento ao Obeso (Prato) do Instituto de Psiquiatra do Hospital das Clínicas.

Confira:

Qual a relação entre obesidade e distúrbios psicológicos?

Existem duas relações principais: uma de quem já tem excesso de peso corporal e tem distúrbios psicológicos por isso; e outra de quem não tem excesso de peso mas, devido a distúrbios psicológicos, fica com o peso excessivo.
Quem já está acima do peso ideal, tem distúrbios porque se sente fora do padrão, rejeitado, principalmente se for adolescente ou criança, porque é discriminado, ridicularizado, muitas vezes recebe apelidos e é chamado de gordinho. Já no segundo caso, o indivíduo fica acima do peso por algum distúrbio psicológico, como uma ansiedade compulsiva, que o leva a comer. O problema é que nestes casos, o paciente não vai comer uma salada, porém massas, doces e outros alimentos extremamente calóricos.

Quais os principais indícios de que o paciente obeso precisa de acompanhamento psicológico?

Basicamente quando ele está deprimido, ou se retrai e não sai de casa de jeito nenhum, rejeitando convites de amigos. Com meninas é mais comum. As amigas chamam para sair e ela fica em casa, achando que todos vão ficar reparando. Ou não vai à praia porque acha que todas as pessoas vão parar para olhar suas “gordurinhas”.

Como a psicoterapia pode ajudar o paciente obeso e quais os benefícios no processo de emagrecimento?

Trabalho com a psicodinâmica e afirmo que todas as psicoterapias funcionam desde que o profissional seja competente e tenha um bom relacionamento com o paciente, pois este necessita se sentir à vontade para falar sobre seu problema sem se sentir julgado ou condenado.

É possível afirmar que o insucesso no emagrecimento, e também o famoso ‘efeito sanfona’, podem ser resultado inclusive da falta de acompanhamento psicológico?

Sim, é possível. A falta de acompanhamento psicológico é um dos principais responsáveis pelo efeito sanfona. Deve haver, é claro, cuidado redobrado com a alimentação e também com a atividade física logo após atingir o peso ideal.

Em um tratamento multidisciplinar para a obesidade, que profissionais podem ser requisitados?

Sugerimos um psicoterapeuta, que normalmente é médico psiquiatra ou psicólogo; uma nutricionista e um professor de educação física.

Medos, frustrações, problemas no convívio social ou o mau exemplo de pais e familiares podem levar a criança à obesidade? Em que proporção o senhor acredita que isto aconteça?

Nem tanto os medos, frustrações ou problemas no convívio social, mas o mau exemplo dado pelos pais e familiares, principalmente na área da alimentação. É só você entrar em um restaurante qualquer, hoje em dia, e você observa o que os pais fazem com os filhos. Não só comem alimentos prejudiciais à saúde na frente das crianças, mas incentivam-nas a comer. Um dia eu estava em um shopping e vi um pai sair de um fast food com uma caixa de nuggets e refrigerante. O filho, no carrinho, era praticamente um bebê, mas ainda assim recebeu deste pai batatas fritas, nuggets e refrigerante. Os pais são os principais responsáveis pelo excesso de peso dessas crianças. Se a criança não tiver nenhuma doença que a faça engordar e, no geral, não tem, quem a está tornando gorda são os pais que, em primeiro lugar, acham que qualquer desconforto deve ser resolvido com comida. Há ainda os que premiam quando a criança come, ou a castigam quando não come.

Que sugestão o senhor daria a esses pais?

Eu sugiro o filme Super Size Me (A dieta do palhaço), que conta a história de um homem que fez uma aposta com os amigos e passou um mês se alimentando exclusivamente no Mc Donald’s. Paralelamente ele realizou diversos exames laboratoriais para monitorar os efeitos desta dieta em sua saúde. Até que o médico que o acompanhava alertou: Ou você para com isso, ou você morre.

Há particularidades no tratamento psicológico para a obesidade infantil? A partir de que idade ele pode ser indicado?

Deve-se fazer o acompanhamento dos pais juntamente, pois não dá para tratar a obesidade infantil sem orientar os pais. Quando houver antecedentes de obesidade ou diabetes na família, deve-se, inicialmente, indicar aos pais um acompanhamento nutricional para que saibam o que devem priorizar e/ou evitar na alimentação das crianças, antes de pensar em qualquer tratamento psicológico. Só é indicado o tratamento psicológico infantil se a criança já for gordinha ou tiver uma fome fora do comum.

Nos casos em que há indicação de cirurgia bariátrica, como deve ser o acompanhamento psicológico? Quanto tempo antes do procedimento o acompanhamento deve começar e por quanto tempo deve se estender?

Cada caso tem sua particularidade. A indicação é que qualquer pessoa que será submetida à cirurgia bariátrica comece um tratamento psicológico e continue no pós-operatório, pois não é fácil. Normalmente, são pessoas que comiam a qualquer sinal de nervosismo, mas agora não podem fazê-lo porque passam mal, ficam como se estivessem entupidas. Esse acompanhamento deve ser começado assim que o paciente resolver que vai fazer a cirurgia e deve continuar após a cirurgia pelo tempo necessário à sua total recuperação.

Por que este acompanhamento se faz tão necessário?

Por que a pessoa deve aprender outras formas de descarregar suas ansiedades sem ser comendo. Enquanto ela continuar descarregando na comida, não conseguirá se libertar da compulsão.

Quais os riscos de abandonar o tratamento após a cirurgia, ao primeiro sinal de emagrecimento?

Muita gente desiste por não querer gastar dinheiro, ou por achar que não há necessidade. Os riscos são de voltar a apresentar os mesmos distúrbios psicológicos, medos, complexos e frustrações, que novamente serão descontados na comida, fazendo com que o paciente engorde novamente e se retraia em função do sobrepeso.

site Nutritotal

13 comentários:

Juh disse...

oi querida!!!

:D

adoro as suas matérias!!!são sempre tão boas!!!

beijinhos

Juh

Paula disse...

oi lu,
é complicado esse negocio de exemplo...hj em dia parece que ta td distorcido...antigamente, os exemplos dos meus pais eram, arroz, feijao, carninha e legume...eu odiava isso...chuchu, jiló, quiabo, beringela...hj, com o acesso as "praças de aliemtnação" o o M do maus em todas elas, fica dificil...sabado almoçamos no shopping e sempre falo pro meu marido : "nao tem jeito, o M é unanimidade, em cada maozinha uma batatinha"!!!rsss
sobre sentimentos e comida, é uma forma de suprir o que falta, seja carinho, atenção, ou de externar o que ta enculcado la dentro, eu te agrido comendo...quando na verdade agredimos a nos mesmos...
otimo post...como sempre!!!
bjao

Emagrecer agora é minha lei! disse...

Bom dia amiga, passei para agradecer a visita e o apoio.
Achei mt interessante sua postagem,tenho certeza de que muito da minha fome é puramente psicológico. As vezes nem etou com fome e fico pensando o que poderia comer.Acho q preciso trabalhar isto mas não sei como.
Um ótimo feriado para vc. Bjim.

Marcia disse...

Querida Luciana, tudo bem?
Amei o texto que traz grandes verdades,como sempre útil e esclarecedor.
Tenha uma ótima semana e que DEUS lhe abençoe.

Kécia Fonseca disse...

Olá, demorei mais apareci.... gosto muito dos seus textos eles ajudam a esclarecer muitas duvidas que todas nós temos em relação a doença obesidade;

Luciana gostaria se possível vc postar alguma coisa sobre a SÍNDROME DE CUSHING, tenho um visinho ele só tem 15 anos e tem essa doença, gostaria de saber mais.

Beijos!!!

Paula disse...

lu,
deus guarda mesmo cada um de nos...que bom que esta td bem com vc...passado o susto, espero que vc se recupere...
bjao
deus te abençoe muitao

Leidiane disse...

Oi Luciana..
Adorei o post..
A 1ª e 2ªpergunta, diz muito o que vivi..Hoje, procuro não lembrar do passado pra não atrapalhar meu tratamento, é dificil?sim..Porém,qdo temos tantas oportunidades de viver melhor, não deu pra resistir..e escolhi mudar!!!

Super beijo...

zizi disse...

Olá Lu!

Realmente, cada vez mais acredito na importância do auxílio de um bom profissional na rotina do paciente obeso.

excelente postagem.
Bjo e ótima semana!

Lú, o gif "depois do depois" é impactante. Que Deus nos livre de mais uma sanfonada! Amém!

Sibele disse...

Oi,Lu!Pois é a obesidade é um problema mesmo principalmente qdo se é criança ou adolescente, aff como eu sofri com isso, nossa mãe eu tinha uma raiva das outras crianças que me chamavam de baleia assassina pra coisa pior, depois a adolescência foi outro problema, tinha vergonha do meu corpo me escondia na frente do pc, sempre acreditei que nenhum rapaz seria capaz de se interessar por mim, pelo fato de eu ser gordinha.Ai ai o tempo passa e os traumas ficam... Mas eu to em processo de mudança.
Cuide-se!
linda semana!
Bjosss

Ely. disse...

Oi amiga, gostei da materia muit ointeressante... e aqui tem uns obess que da ate angustia de olhar viu.Acho que tudo vale pra vc estar bem cinsigo mesma.
tae bo e tipo uma luta que da murros e chutes.Bjus

Fênix disse...

Acho informação primordial. Muito bom o post.
Beijos e bom feriado.

Anne costa disse...

Pois é amiga,a maioria das pessoas não conhecem estes distúrbios alimentares e nem sabe como tratar.
Que bom vc compartilhar conosco,pois assim podemos nos ajudar e ficarmos alertas quanto aos nossos filhos,que são sempre pressionados pela sociedade a serem magérrimos.
Ainda mais no meu caso que tenho filha adolescente,valeu mesmo.

Beijos e um ótimo feriado!!!

Dani disse...

Oi Luciana! òtimo este post!!! Eu sei o que eh a fome psicológica...
Parabéns pela escolha do tema!
Beijinhossssssssss